Traduzir para:

Canal Saúde Mulher | Guia de Saúde da Mulher Madura

Ganho de peso e alterações no corpo

A mudança nos níveis hormonais após a menopausa leva a alterações no formato do corpo. A tendência a partir dessa fase da vida é ganhar volume no abdome e perder nos quadris e coxas. A proporção entre gordura corporal e massa muscular ou magra também se modifica, mesmo em mulheres que mantiveram o mesmo peso ao longo da vida. Enquanto uma jovem de 25 anos, com 58 quilos, por exemplo, tem 27% de gordura na composição de seu peso, a mulher de 50 anos e mesmo peso terá 40% de gordura corporal.

Sem dúvida o estilo de vida e a dieta estão associados a essas alterações. Mulheres que levam vida sedentária e consomem mais calorias do que gastam podem sentir mudanças no formato do corpo já no início da década dos 40 anos, ou seja, bem antes da época da menopausa.

A prática de exercícios aeróbicos e de musculação é capaz de reverter essa tendência, além de melhorar muito a condição física das mulheres durante e após a menopausa. Atividades vigorosas como corrida, ginástica e levantamento de peso levam o músculo a exercer sobrecarga sobre o osso, o que estimula o processo de reconstituição óssea permanente de nosso esqueleto.

MUDANÇAS NO METABOLISMO

É preciso ter cuidado com as refeições para não engordar na maturidade. O metabolismo fica mais lento e as necessidades calóricas diminuem em média 2% ao ano. Mulheres entre 23 e 50 anos precisam de 1.600 a 2.400 calorias diárias (média de 2.000 calorias). Entre 51 e 76 anos suas necessidades caem para 1.400 a 2.000 calorias (média de 1.600 calorias). Um excesso diário de 200 calorias pode significar o aumento de 10 quilos no peso ao final de um ano.

A redução de 500 calorias no consumo diário pode levar a perda de cerca de 500 gramas de peso por semana. Mulheres que desejam perder peso, além de comer menos precisam queimar calorias por meio da atividade física; mas é preciso cuidado para não limitar exageradamente a quantidade de calorias consumidas no dia-a-dia.

Dietas com menos de 1.200 calorias diárias dificilmente fornecem as quantidades adequadas dos nutrientes essenciais. Os regimes drasticamente hipocalóricos, com menos de 600 calorias por dia, são contraindicados para mulheres em diade de pós-menopausa. Podem provocar disfunção cardíaca e levar ao infarto.

O correto é alimentar-se de maneira equilibrada, reduzindo a ingestão de calorias com refeições leves, pobres em gordura e açúcar e incorporando à rotina a prática de exercícios. Andar rápido triplica o gasto energético em relação ao que é consumido em repouso. Nadar vigorosamente aumenta o gasto calórico quatro a cinco vezes e subir degraus ou andar de bicicleta eleva em seis vezes o gasto calórico comparativamente ao que é consumido em repouso.

voltar